terça-feira, 22 de novembro de 2016

RECEITAS CASEIRAS PARA COMBATER PRAGAS NAS ORQUÍDEAS

Sempre o natural antes do químico


CEBOLA COM ALHO E PIMENTA – Combate pulgões e qualquer cochonilha e maria fedida.
Pegue uma cebola, uns quatro dentes de alho, uma colher de sopa de pimenta do reino ou uma colher de sopa de pimenta malagueta com um pouquinho de água apenas para bater no liquidificador. Esprema e deixe macerar por uma semana, depois dilua em 10 partes de água.   

REFRIGERANTES COM SAL – Combate lesmas e caracóis.

Pegue um pouco de refrigerante (pode ser aquele que está choco) e despeje em uma tampa de garrafa pet a do próprio refrigerante com a metade da tampa com sal de cozinha, agora deixe sobre o substrato do vaso de orquídea. O cheiro adocicado do refrigerante atrairá a lesma ou o caracol que ao ingerir morrerá desidrato. 
DICA: Coloque à noite, pois estas pragas têm hábitos noturnos.


FOLHAS DE MAMÃO – Combate pulgões e qualquer cochonilha e maria fedida – Duas folhas de mamão com talo, pica e adiciona um litro de água e bate no liquidificador e coa.


CALDA DE SABÃO E ALHO – Combate cochonilhas brancas ou com carapaça e pulgões 
Amasse 3 dentes de alho e misture com uma colher de sopa de sabão de coco em raspas ou em pó. Dilua em 1 litro de água quente. Agite bem. Deixe esfriar. Coe e coloque no pulverizador. Borrife sobre os insetos. Se a infestação for grande, repita na semana seguinte. O produto pode ser armazenado por até dois dias. 
Controle: limpeza manual com algodão úmido e utilização de inimigos naturais (joaninhas). 


CHÁ DE LOSMA - Combate de lagartas e lesmas
Coloque 30 g de folhas secas de losna em 1 litro de água. Ferva por 10 minutos. Esfriar. Coe em um pano, torcendo para extrair o princípio ativo. USO: dilua essa quantidade em 10 litros de água e pulverize. 


ÓLEO MINIERAL OU VEGETAL – Combate cochonilha com carapaça, insetos e algumas doenças fúngicas
 Diluir (1) parte de óleo (soja, etc.) em 100 partes de água. Ex: 1 ml de óleo 100 ml de água. Pulverizar sobre a planta. 


BICARBONATO DE SÓDIO  Combate a antracnose, míldio
Diluir em 4 litros de água uma colher de chá de bicarbonato e 2,5 colheres de óleo vegetal, bata bem, em seguida, adicione meia colher de chá de sabão em pó. Aplicar semanalmente até que a doença desapareça.


CALDA DE FUMO E SABÃO  Combate de percevejos, besouros, pulgões, cochonilhas e trips
Ferver 100 mg de fumo de corda em 2 litros de água por 5 minutos. Esfriar. Coar esse preparado e misturar com 2 colheres (sopa) sabão de coco em pó. Acrescentar 2 litros de água. Misturar bem. Aplicar sobre as plantas atacadas.
ATENÇÃO: Não é o mais indicado para orquídeas.


SULFATO DE COBRE – Combate doenças fúngicas e bacterianas
Diluir em 1 litro de água, 2 colheres (café) do sulfato. Pulverizar a cada 15 dias. Cuidados: Não aplicar em temperatura acima de 32ºC. Não aplicar em plantas com flor. Proteja folhas e rizomas. 


CANELA EM PÓ – Combate fungos (podridão negra)
Coloque canela em pós no substrato e planta. 
A canela em pó induz a Phalaenopsis a produzir brotos. Mas, não use muito, pois o pó adere as raízes.


PASTA SELANTE  Para combater infecções nas feridas após corte e podas das plantas
1 colher de chá de vaselina
10 gotas de própolis ( usar sem adição de açucar)
1 colher de chá de canela em pó
Misture tudo e está pronto uma pasta selante e cicatrizante.
Obs: Aplique inseticida caseiros nos horários mais frios.


PASTINHA DO CLUBE DAS ORQUÍDEAS SEM SEGREDOS:
1 colher de sobremesa de canela em pó
Óleo mineral ( compra em farmácias).
Coloque a canela em um recipiente e vá pingando o óleo mineral, até tomar a consistência de uma pasta homogênea.







domingo, 20 de novembro de 2016

DOENÇAS MAIS COMUNS EM ORQUÍDEAS

PRINCIPAIS DOENÇAS EM ORQUÍDEAS

Assim como nós, meros seres humanos, as plantas também precisam de cuidados. Na jardinagem, diversas atitudes devem ser tomadas quando a sua plantinha fica doente. Mas não se desespere, sempre há uma solução para tratar das suas flores, folhas e até frutos.
Neste artigo, vamos falar de uma planta que é realmente muito delicada e dependendo da sua espécie, os cuidados deverão ser mais rigorosos ainda. As orquídeas surgiram há muitos anos atrás e quase todas as suas espécies já foram catalogadas. Suas flores vistosas são o que mais chamam a atenção de todos e o que queremos é termos plantas saudáveis e floridas, não é?
MANCHA-AQUOSA OU MANCHA-MARROM/Podridão bacteriana
Caracteristicas: Bactéria encontrada geralmente nas falaenópsis (atacando toda a planta) e nas catléias (somente em folhas velhas). A disseminação é feita por insetos, água de irrigação ou de chuva. 
Sintomas: Formação de lesões esbranquiçadas e úmidas que tornam-se escuras.
Como combater: remova as partes atingidas, isole a planta e reduza a quantidade de água. Existem bactericidas disponíveis em lojas agrícolas.



PODRIDÃO-MOLE 
Características: Ocorre em plantas com folhas não-eretas (como as das vandas, falaenópsis, vanilas, arachinis, paphopediluns, phalus e dendróbios) que popriciam o acúmulo de água. 
Dissemina-se por insetos, água de irrigação ou chuva Sistomas: odor fétido e lesões nas folhas e pseudobulbos (lembra uma banana madura)
Como combater: Remova as partes atingidas, isole a planta e reduza a quantidade de água. Existem bactericidas disponíveis em lojas agrícolas.


PODRIDÃO NEGRA 
Características: é causada por um funco branco altamente agressivo, que surge em períodos de muita umidade e penetra pela raiz ou pelo colo da planta. Disseminada pela água de irrigação ou da chuva, por substratos e vasos contaminados.
Sintomas: A planta fica tombada e com manchas negras, que progridem da raiz para as folhas. Com a evolução da doenças, os órgãos atacados apodrecem. Em casos extremos, pode ocorrer a morte da planta. 
Como combater: Use fungicidas sistêmicos, comercializados em lojas agrícolas e específicos para essa doença.


ANTRACNOSE 
Características: é um fungo encontrado com frequencia em climas tropicais e subtropicais. Seu desenvolvimento é favorecido por umidade elevada e temperaturas entre 10oC e 20oC.Sintomas: Descoloração da folha e lesões com centro marrom.Como combater: Borrifar fungicida à base de sufato de cobre nas partes afetas da planta. Esse produto é vendido em gardens centers, supermercados e orquidários profissionais.


FERRUGEM 
Características: O ataque desse fungo é propiciado por alta umidade e temperaturas amenas.São disseminadas pelo vento e por respingos de água.Sintomas: Ocorrem apenas nas folhas, quase que exclusivamente na face inferior onde, inicialmente, surgem pequenas lesões amarelo-laranja ou marrom-avermelhada, que podem enegrecer.Como combater: borrifar fungicida à base de sulfato de cobre nas partes afetadas da planta. Esse produto é vendido em gardens centers, supermercados e orquidários profissionais (envelopinhos iguais aos de sementes de salsinha, erva doce, etc.)

MANCHAS FOLIARES 
Características: além de diminuir o desenvolvimento, as manchas deixam a planta feia e diminuem a qualidade para a comercialização.Sintomas: Manchas castanho-escuras circulares ou ovaladas nas folhas, com bordas bem definidas e centro pardo-claro.Como combater: Remova as partes atingidas, isole a planta e reduza a quantidade de água. Existem fungicidas especificos para essa doença disponíveis em lojas agrícolas.

MOFO CINZENTO 
Características: é favorecido por condições de alta umidade, baixa ventilação e temperaturas amenas (16oC a 18oC). Disseminado pelo vento, ataca pétalas, sépalas e labelo das flores, principalmente as mais velhas.Sintomas: Pequenas manchas circulares nas flores. Com a evolução da doença, surge também uma massa cinza parecida com pó. Flores severamente atacadas murcham e caem.Como combater: Remova as partes atingidas, isole a planta e reduza a quantidade de água. Existem fungicidas especificos para essa doença disponíveis em lojas agrícolas.

MURCHA OU PODRIDÃO DE RAIZ E PSEUDOBULBO - Mais conhecido como CANELA SECA
Características: Moléstia vascular que infecta as plantas pelas raízes ou por ferimentos nos rizomas, produzidos durante o processo de propagação.Sintomas: Coloração escura dos rizomas e círculos roxo-escuros no interior dos rizomas. A planta pode sofrer redução continua no desenvolvimento ou até morrer em cerca de 30 dias.Como combater: Remova as partes atingidas, isole a planta e reduza a quantidade de água. Depois aplique fungicidadas especificos para essa doença vendidos em lojas agrícolas.

PERCEVEJO E INSETOS DAS ORQUÍDEAS 
Características: Medem cerca de 5mm de comprimento, têm cor alaranjada e assas anteriores azuis-escuras, com bordas externas alaranjadas.Sintomas: faz furos que podem deformar as plantas e gerar manchas esbranquiçadas. Costuma atacar catléias, laélias e encíclias.Como combater: Pulverize a planta com inseticidas que tenha como principio ativo fosforados e clorofosforados, como o SBP Casa & Jardim.





Prevenção:
Como sempre digo, o ideal é prevenir para não ter que tratar a doença.
Para isso, siga estas dicas:
- Esterilize os vasos antes do plantio ou replantio;
- Antes de colocar o novo substrato, jogue água fervendo nele e deixe esfriar;
- Evite deixar uma planta muito próxima a outra (o ideal é o espaçamento de um palmo de uma folha para outra);
- Não deixem vasos próximos ou no chão, o ideal é estarem pelo menos 50 cm de distância do chão.
- Evite deixar as folhas das orquídea úmidas por longo período;
- Coloque os vasos em locais que tenham boa circulação do ar (que ajuda na secagem das folhas e substratos);
- Ao primeiro contato do sintoma desta ou outra doença, isole a planta contaminada.


FICA A DICA DE HOJE - SUBSTRATOS

A finalidade do substrato é servir de apoio para a orquídea, tendo em vista que a maioria é epífita ( cresce em árvores), de maneira que suas raízes se agarrem (orquídea não gosta de ficar solta, mas não compacte o substrato). Ele permite manter a umidade ( sem encharcar), circulação do ar e nutrição ( está é pouca, por isso se deve adubar).Podemos utilizar inúmeros tipos de substratos, usando um só tipo ou misturando com outros. Todos os dias me surpreendo com a infinidade de tipos que ainda não conhecia.
Qdo comecei no cultivo, só comprava casca de pinus... de repente, veio o carvão, a brita, a casca de macadâmia, o chips de coco... e cada dia aparecem outros.
Porém, não podemos sair por aí comprando de tudo, ou fazendo experiência com nossas meninas.
Para sabermos que tipo usar, é importantíssimo:
1 - conhecer o clima de sua região!
a) é quente? Use substratos que retenham um pouco mais a umidade ( sgamo, chips de coco e outros)
b) é frio? Opte pelos de secagem rápida ( brita, carvão...)
2 - conhecer a ID ( identidade) da orquídea! Ela gosta de mais umidade ou menos umidade?
Dica: eu geralmente misturo alguns tipos, balanceando conforme a necessidade da planta.
Dica2: Use substratos de boa procedência ( Não coloque em risco suas meninas)
Dica3: Ao usar carvão, lave bem até sair toda a fuligem.
Dica4: Se vc não sabe se a casca de pinus que comprou é boa, deixe ela de molho, se sair uma água mais amarelada... Não é boa! Pois o pinus vendido para orquídeas é tratado e não deve sair cor alguma.
O que acharam desta dica? É util? Ficou alguma dúvida?
Conte nos a usa experiência!
Qdo comecei no cultivo, só comprava casca de pinus... de repente, veio o carvão, a brita, a casca de macadamia, o chips de coco... e cada dia aparecem outros.POrém, não podemos sair por aí comprando de tudo, ou fazendo experiência com nossas meninas.Para sabermos que tipo usar, é importantíssimo:1 - conhecer o clima de sua região!a) é quente? Use substratos que retenham um pouco mais a umidade ( sgamo, chips de coco e outros)b) é frio? Opte pelos de secagem rápida ( brita, carvão...)2 - conhecer a ID ( identidade) da orquídea! Ela gosta de mais umidade ou menos umidade?Dica: eu geralmente misturo alguns tipos, balanceando conforme a necessidade da planta.Dica2: Use substratos de boa procedência ( Não coloque em risco suas meninas)Dica3: Ao usar carvão, lave bem até sair toda a fuligem.Dica4: Se vc não sabe se a casca de pinus que comprou é boa, deixe ela de molho, se sair uma água mais amarelada... Não é boa! Pois o pinus vendido para orquídeas é tratado e não deve sair cor alguma.O que acharam desta dica? É util? Ficou alguma dúvida?Conte nos a usa experiência!






sábado, 19 de novembro de 2016

ADUBO NPK

Vamos relembrar como e para que serve o NPK?

Usando corretamente uma adubação, você pode ajudar e muito sua planta. Já uma adubação incorreta pode atrapalhar mais ainda. Para cada fase de sua vida, as plantas necessitam de maiores quantidades de determinados nutrientes, saber fornecer os nutrientes certos para essas fases vão fazer toda a diferença no cultivo de suas orquídeas.
Resultado de imagem para NPK
Os adubos químicos são representados pelas letras NPK.
N-Nitrogênio
P-Fósforo
K-Potássio
Esses representam os macros nutrientes, eles são os mais consumidos pelas plantas.

Adubo Para Crescer
Maior quantidade de Nitrogênio estimula o crescimento da planta. Usar um adubo com mais nitrogênio favorece a brotação e o desenvolvimento vegetativo. O nitrogênio é indicado pela letra N, pela primeira letra da formula NPK. Para que um adubo tenha maior quantidade de nitrogênio o primeiro numera deve ser maior que os outros.
Ex: NPK 30-10-10
Um adubo que tem o primeiro numero maior que os outros é um adubo de crescimento, indicado para ser usado em mudas e plantas juvenis, também pode ser usado em plantas adultas quando elas estiverem em crescimento. Principalmente no inicio do período chuvoso.

Adubo para florir
Se o nitrogênio estimula o crescimento, o fósforo estimula a floração e as raízes. Um adubo rico em fósforo ajuda desenvolver maior quantidade de flores por haste floral, ajuda manter as flores por mais tempo e evita a desidratação da orquídea durante a floração.
O fósforo é representado pela letra P na formula NPK, para que um adubo seja de floração o segundo numero tem que ser maior do que os outros.
Ex: NPK 4-45-15
Você deve usar um adubo com quantidade maipr de fósforo dois meses antes da orquídea florir. Adube uma vez por semana.

Adubo para repouso
Durante o período de repouso das orquídeas que acontece principalmente no inverno, pode ser usado um adubo básico, ou seja, um que tenha o numero igual para cada elemento.
Ex: NPK 10-10-10
Muitos orquidófilos suspendem a adubação nesse período, ou, aumentam o intervalo entre as adubações.

O potássio serve como equilibrador.
O melhor é adubar uma vez por semana, e não a cada quinze dias, para isso, basta usar a metade da quantidade de adubo indicado para quinze dias.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

FATORES QUE INFLUENCIAM NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CONHEÇA OS 5 FATORES QUE INFLUENCIAM NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS ORQUÍDEAS

  1. água,
  2. luminosidade (artificial ou natural),
  3. temperatura,
  4. ventilação e
  5. adubação.
Qualquer alteração de um desses fatores modifica a correlação entre eles e altera um outro fator ou até mais de um. 

ÁGUA
 Quase todas as orquídeas têm uma fase de crescimento e uma fase de repouso.
A fase inicial de crescimento se caracteriza pela aparição do broto e das raízes.
A fase de crescimento ativo é o desenvolvimento deste broto em pseudobulbo (caule) e folhas. É nesta fase que a planta precisa ser aguada e adubada com freqüência. Quando o crescimento desacelera, a planta entra na fase de repouso vegetativo e sua necessidade de rega diminui bastante. Depois vem a maturação com formação ou não da flor.
Uma das maiores dificuldades do cultivo é a freqüência da rega. Cada gênero e, às vezes, cada espécie, têm exigências peculiares. De uma maneira geral, rega-se abundantemente até a água escoar pelos furos do vaso e aguarda-se que o substrato (material onde ela está vegetando: xaxim desfibrado, casca de côco, etc.) seque.
Embora esta regra não seja válida para todas, a possibilidade de errar é menor pois é mais fácil matá-las pelo excesso de água do que pela seca. As espécies do gênero Cattleya, as mais populares, precisam deste tipo de rega. Já as espécies do gênero Phalaenopsis, Miltonia, Cymbidium, Paphiopedilum, devem ter o substrato sempre ligeiramente úmido. Uma planta maior, por ter uma área maior de evaporação, exige uma rega mais constante.
Observa-se que diversos fatores vão fazer com que o substrato seque mais depressa ou mais lentamente:

- o seu tipo (xaxim, piaçava, cascalhinho, casca de coco);
- o material e tamanho do vaso; 
- a intensidade da luz; 
- a temperatura e 
- a circulação do ar. 


O vaso de plástico ou cerâmica vitrificada vai secar mais lentamente pois não sendo poroso, não há evaporação. O vaso de argila seca mais rapidamente. Uma maior circulação de ar e/ou uma elevação da temperatura fará com que a evaporação se processe mais rapidamente, provocando uma queda de umidade. Não se deve manter os vasos diretamente sobre pratinhos pois a água acumulada impede a oxigenação das raízes e é imprescindível que uma boa ventilação chegue até as raízes. Pode-se colocar pedra brita no pratinho, com um pouco de água, desde que não atinja a base do vaso. Em dias muito quentes, é aconselhável borrifar água em volta da planta, com cuidado para não molhar a junção das folhas. Cultivá-las no mesmo ambiente das samambaias também pode ser um bom recurso para aumentar a umidade ambiental.
Plantas recém divididas também precisam de um regime de rega um pouco diferente. Como suas raízes não têm o mesmo poder de absorção, deve-se limitar a borrifar o substrato durante 3 semanas e só quando começarem a surgir as raízes, voltar a regar normalmente.
As plantas em flor precisam de menos água e depois da floração, é necessário reduzir mais ainda a rega, até que comece a nova brotação e assim recomeçar o ciclo.
 

LUMINOSIDADE
 As orquídeas podem vegetar na sombra, meia sombra, luminosidade intensa e pleno sol (raras exceções).
Em geral, elas não devem receber luz solar direta com exceção dos primeiros raios matinais.
Na sombra, vegetam, entre outras, as micro-orquídeas, Paphiopedilum e Miltonia.
Na meia sombra: Cattleyas, Coelogyne, algumas espécies de Dendobrium, Laelia em geral (exceto as rupícolas, que vegetam nas rochas e que precisam de luminosidade intensa), algumas espécies de Oncidiume a Sophronitis Coccinea.
Na luminosidade intensa: Catasetum, Laelia do tipo rupícola, Cattleyas walkeriana e nobiliorDendobriumdo tipo nobile, Vanda.
Em pleno sol: Vanda teres, Brassavola tuberculata, Renanthera. 


TEMPERATURA
 As orquídeas de clima quente são aquelas que toleram temperaturas mais elevadas, em torno de 35oC no verão e até picos mais elevados, não se adaptam a temperaturas abaixo de 15oC: Vandas, Phalaenopsis;
De clima temperado, plantas mais adequadas à temperatura situada entre 15o e 28oC:
Paphiopedilum (com folhas manchadas) , Cattleya, algumas espécies de Dendobrium principalmente oDendobrium phalaenopsis e algumas espécies de Oncidium;
De clima frio, máxima em torno de 20oC (raramente se elevando a 25oC) e mínima de 0oC:Cymbidium, Odontoglossum, Paphiopedilum em geral. 


ALTITUDE
Espécies e híbridos indicados para cultivo ao nível do mar: Dendrobium tipo phalaenopsis, Renanthera, Vanda sanderiana, Miltonia spectabilis, Vanda tricolor, Cattleya eldorado, aclandiae e guttata,híbridos de Vanda, Ascocentrum, Renanthera. 
Para cultivo na serra: Cattleya bicolor, granulosa, intermedia, labiata, Cymbidium, Dendobrium tipo nobile, Laelia anceps, Miltonia candida, Oncidium flexuosum, Paphiopedilum, Sophronitis coccinea. 



VENTILAÇÃO
Sobretudo dentro das residências, a ventilação é um ponto muito importante. Sem ela não há possibilidade de se cultivar orquídeas.
Sempre que possível deixar as janelas abertas, o movimento constante do ar é a garantia de saúde das plantas. 



ADUBAÇÃO
Durante a fase de crescimento, de uma maneira geral, adubar a cada 15 dias com a fórmula NPK 30-10-10.
Na fase que antecede a floração, aplicar a fórmula fosfatada (NPK 10-30-20).
Estas fórmulas (N = Nitrogênio, P = Fósforo e K = Potássio) correspondem às proporções de cada elemento, eles já são comercializados desta maneira, é suficiente verificar no rótulo, na hora da compra. Eles são encontrados nas lojas especializadas.
Fonte: Brazilian Orchids - Delfina Araujo

sábado, 12 de novembro de 2016

Resultado do cultivo das Phalaenopsis no vidro



UMA ORQUÍDEA A MAIS, UM MEDICAMENTO A MENOS.


Cultivar orquídeas, além de prazeroso tem ajudado muitas pessoas com diversos problemas de saúde. O principal vilão é a depressão!

O tempo que permanecemos cuidando de nossas orquídeas, faz com que deixemos de lado algumas preocupações... esquecemos até o arroz no fogo (rsrsrsr).

Como tantas outras ocupações que temos em nosso dia a dia, desaceleramos quando estamos com elas. Apreciamos as novas raízes e brotos e, vamos ao delírio quando vemos uma haste floral se formando. Ao tirarmos as folhas secas, podar, fazer novas mudas, regar, adubar... entre tantas outras coisas, ocupamos nossa cabeça com algo que temos a certeza nos recompensará, em sua devida época.

Sei que queremos ter sempre nossa casa florida!
Sei que postar fotos delas floridas é o máximo!
Mas, não adianta sair comprando várias floridas e não cuidar... deixar elas abandonadas em um canto!
Sei bem, que muitas vezes, quando vemos que uma adoecer, aparecer pragas, morrer uma orquídea... ou quando fazemos várias tentativas para salvar uma orquídea, temos a vontade de desistir! Eu mesma já passei por isso! Me achava incompetente, que o estigma de que cultivar orquídeas era realmente difícil.

Mas, aprendi uma grande lição: cultivar orquídeas é ter paciência!

E não existe melhor remédio que a paciência.




CULTIVO NATURAL - Suas orquídeas agradecem

QUANTO MAIS NATURAL MELHOR

Para termos orquídeas saudáveis é necessário adquirirmos sempre plantas saudáveis e com boa procedência, assim não colocamos em risco nossa coleção.

Mantenha sempre um espaçamento entre as plantas ( geralmente de 1 palmo). Isso favorece a ventilação e elimina possível competição entre elas.
DICA: plantas penduradas tem menos estresse.

Foto/Cultivo: Maria Elizabeth

Evite muito calor e umidade excessiva, o que favorece ao aparecimento de fungos e bactérias.
DICA: opte por bandejas com pedras dentro e água ( abaixo do nível das pedras, assim evitamos a criação de mosquitos) espalhadas pelo local de cultivo - Isso aumenta a umidade local em dia quentes. Eu uso uma fonte para elevar a umidade do ar.


Foto/Cultivo: Maria Elizabeth

Foto/Cultivo: Maria Elizabeth

Controle a iluminação do orquidário. Isso irá depender do local em que se esta cultivando.
A luminosidade é um fator importante na saúde das orquídeas, que geralmente não toleram exposição direta ao sol. Em regras gerais, orquídeas se adaptam bem na chamada meia-sombra: embaixo de árvores, sob ripados de madeira ou mesmo na varanda ou janela de um apartamento em que não incida sol direto.
DICA: ao dispor suas plantas, coloque da menor para a maior, de acordo com a incidência dos raios solares, assim as maiores não farão sombra para as menores.

Foto/Cultivo: Sergio Oyama

Evite o emprego indiscriminado de agrotóxicos, pois favorecem o desequilíbrio do meio ambiente. Opte sempre que possível por receitas naturais.

Faça uma observação diárias em suas plantas. Além de ser prazeroso, possibilita a identificação rápida de pragas e doenças, facilitando seu controle.

Use sempre o bom senso e não receitas milagrosas!

Cultivar orquídeas é paciência e amor!

Foto/Cultivo: Angulo clowesii - Tai Rodrigues






sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Dicas quanto ao local de cultivo


FICA A DICA DE HOJE

O local onde cultivamos, está de acordo com o espaço que podemos oferecer para o cultivo, porém é necessário verificar se as espécies que vamos cultivar neste espaço recebem luminosidade adequada, se é bem ventilado... se tem tudo o que elas necessitam, não é mesmo?

Se você pretende cultivar em um corredor, onde bate muito sol, basta colocar um sombrite de 50% ( este deve estar a uma altura de uns 2,5m) Aqui vc pode tanto colocar na parede, como estender um cabo e pendurar suas preciosas!

Se tem um local aberto e arejado, pode construir um orquidário.

O ideal para bancadas é que elas deixem água das regas passar livremente, sem acumular. O tamanho que tenho visto por aí é de no máximo, 1,5m de largura - assim você poderá alcançar qualquer orquídea nela). Quanto ao comprimento, vai depender do espaço que você tem. A bancada deve ficar pelo menos a 1m do chão. Podem ser de madeira, metal, concreto, plástico... em fim, hoje em dia há vários materiais bem legais... o importante é que sejam laváveis.

DICA: Vc pode fazer uma estrutura base como bancada e usar ripas de madeira, telas de plástico ou aço, como tampo.

DICA: Vc também pode usar o modelo "escada" fazendo degraus com as bancadas. A vantagem deste é não deixar uma planta em cima da outra.

As plantas devem ficar na bancada, desde que não fiquem muito encostadas, uma na outra ( qualquer praga ou doença em uma pode passar para a outra).

Veja que ainda te sobra todo o espaço de cima para pendurar vasos e tronquinhos.... heheheheh

DICA: Observe se ao molhar as plantas de cima, a água que escoa, não cai nas de baixo! Se isso ocorrer, faça pequenas mudanças de posição. Pq disso? Se a planta de cima esta doentinha, a água que escorre pode levar para as de baixo o problema!

Vc não tem corredor ou espaço livre, mas tem uma varanda ou até mesmo o peitoril de uma janela, perfeito! Vamos colocar elas aí! O importante neste caso, é não deixar o sol incidir diretamente nas orquídeas, pois pode queimá-las. Neste caso, use a cortina como um filtro dos raios solares.

DICA: Use estrados de cama sem uso, paletes de construção ou até mesmo uma tela aramada para fixar na parede e poder prender alguns vasos... ficam bem legais!

Vamos mais além?

Se vc tiver uma laje, pode construir o orquidário nela. No piso pode usar e abusar de brita + cascalhos e deixá-los bem molhados, assim eleva a umidade, mas antes de fazer isso, não esqueça de passar um produto que evite passar a umidade para a parte de baixo da sua casa, criando mofo!

Se tiver árvores, use e abuse! Cuidado somente para não plantar em árvores tipo goiabeira, que soltam a casca aos poucos, o que fará que as raízes da orquídea se desprendam!



Bom, agora que vocês viram que existe várias possibilidades... mão à obra e bom cultivo!

Galeria de fotos












quinta-feira, 10 de novembro de 2016

COMO ESCOLHER UMA ORQUÍDEA?


Na maioria das vezes escolhemos pelo colorido delas, pois sua beleza encanta a todos, não?

Eu, quando comecei a cultivar, já saia comprando de todas as espécies... Era só ver a foto e pronto! rsrsrsr

Mas, com o tempo fui aprendendo que a beleza não é tudo!

Para que tenhamos, além de uma bela orquídea em casa, é necessário saber se ela gostará do que podemos oferecer à ela!

Como assim?

Temos que levar em conta as características de nossa região, para sabermos se é o ideal para o tipo de orquídea que queremos, por que se não, na próxima floração ela poderá não florir.

Vamos por partes!

Quais orquídeas seriam ideais para quem mora em cidades muito quentes e com temperatura que variam entre os 15.ºC e 35.ºC, que no local escolhido para o cultivo tenha uma luz moderada e. que tenha uma boa ventilação no local (brisa constante)?
Bom, nestas condições você pode cultivar com exito:
- Acacalis;
- Aerangis;
- Brassia;
- Catasetum;
- Cattleyas
- Coelogynes e várias outras.

 Acacallis cyanea x Paradisanthus micranthus

 Aerangis Luteo alba var. rhodosticta

 Brassia

Catasetum Frimbiatum

Agora se você mora em local frio, com luminosidade moderada e com boa ventilação, as espécies mais indicadas seriam:
- Angraecum;
- Anguloa;
- Bifrenaria;
- Coelogyne;
- Dendrobiuns e outras espécies.
 Angraecum sesquipedale

Bifrenaria


Agora você entende o porque de conhecer o que as orquídeas necessitam?

Saber a espécie da orquídea, antes de comprar, conhecer as características da planta e saber o que vc pode e deve oferecer a ela é garantia de belíssimas floradas.