terça-feira, 3 de outubro de 2017

KOKEDAMA PARA ORQUÍDEAS - Como fazer e como cuidar

Kokedama é uma técnica japonesa, variante do bonsai.


Kokedama é a junção das palavras koke=musgo e dama=bola, ou seja, é uma bola de musgo.

Feitas com musgo que funcionam como uma única planta pendurada, elas são muito bonitas e encantam pela sua presença marcante nos ambiente.

Vale destacar que há diversas receitas de kokedama, mas a maioria delas utiliza terra, e é voltada para outros tipos de plantas. É sempre importante lembrar que as orquídeas não sobrevivem na terra comum!

Aqui você vai aprender duas maneiras de fazer o kekedama.

1.ª maneira de fazer uma kokedama.

     Materiais:

     - pedras (brita ou seixos)
     - Casca de pinus (tamanho pequeno)
     - Musgo (esfagno previamente umedecido)
     - Barbante
     - Tesoura
     - 40 cm de fibra
     - 1 orquídea (previamente limpa nas raízes)

     Como fazer:

Corte as pontas da fibra, como mostra a figura 1

Coloque as pedras do meio


Acima das pedras, coloque as cascas de pinus e um pouco do esfagno.

Acomode a planta, centralizando a mesma.
Dica: umedeça as raízes da planta para ficarem maleáveis e não quebrar.

Comece juntando as pontas maiores da fibra



Vá fixando as pontas passando o barbante, por baixo e por cima.

Depois que fixou, desfie uns pedaços da fibra que sobraram, depois que cortou as pontas e envolva tudo.


Feito isso, vá envolvendo o Kokedama com barbante até formar uma bola, e finalmente o Kokedama estará pronto.




2.ª Maneira de fazer o Kokedama:

Materiais:

- Uma planta, com as raízes previamente umedecidas para ficarem maleáveis e não quebrar;
Pedras
- Rede ( daquelas que vendem com laranjas)
- Musgo esfagno
- Barbante
- Substrato
- Arame


  
     Como fazer:

1 - Pegue uma porção pequena de Musgo esfagno, molhe bem, envolva a raiz, e amarre com uma linha qualquer, como um barbante. Esse musgo absorve muita umidade, e é ele que vai hidratar a raiz da sua planta.

DICA: O musgo utilizado para fazer kokedama é o de nome esfagno ou Sphagnum. Coloque-o em cerca de 1,5 litro de água em um balde. Se a ideia for replantar uma muda debilitada, aplique até 5 gotas de algum enraizante de sua preferência e deixe o esfagno de molho por cerca de 15 minutos.

2 - Coloque o substrato dentro da rede ( você pode usar outro material parecido)

3 - Apoie a orquídea acima do substrato e feche a redinha, sem apertar de mais.

4 - Fixe o arame nas laterais da redinha, e deixe a ponta grande para cima, pois ela servirá para pendurar sua kokedama.

5 - Com o musgo umedecido, vá moldando em volta, formando uma bola, pressionando (sem apertar de mais) para que o musgo fique firme.

6 - Use o barbante para dar forma de bola. Pode acrescentar mais musgo para isso.

COMO CUIDAR DO SEU KOKEDAMA

Para manter a Kokedama sempre saudável alguns cuidados são recomendados. 
A questão principal é que a rega irá depender de cada espécie. Não existem regras rígidas, afinal é um delicioso exercício de observação e cuidado. 
Vamos lá:
  • LUZ: Procure atender as necessidades do tipo de orquídea que usou.
  • REGA: Existem 2 formas de regar sua Kokedama:            
    Opção 1 – submergir (a preferida!):  Uma boa e prática forma de regar a Kokedama é retirar de seu suporte e submergir a bola de musgo por alguns segundos (na torneira ou em um pote) e depois deixar a água escoar naturalmente por alguns minutos. Isto pode ser feito a cada 15 dias aproximadamente para suculentas e heras, por exemplo.                                                                       
    - Opção 2 – com borrifador:  Borrife diretamente na base da planta para atingir as raízes,  2-3 dias por semana. Borrife também o musgo para deixá-la mais verde por mais tempo.                                                                         
DICA: Tente sentir como a planta se desenvolve na sua casa, e aumente a rega se sentir que está ficando seca e murchinha. Se perceber que estão bem, não necessita regar. A quantidade e frequência da rega depende do quanto de água foi colocado na rega anterior e do quanto evaporou desde então.                                                                                              
  • Adubação: Se sua orquídea está florida não há necessidade de adubação. Após a floração inicie com adubo de manutenção.                                                       
  • O musgo poderá escurecer um pouco com o tempo, o que é normal.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

RECEITAS CASEIRAS PARA ORQUÍDEAS

CUIDAR DE FORMA NATURAL, SUAS ORQUÍDEAS AGRADECEM

Sempre ficamos preocupados quando notamos alguma coisa que não vai bem em nossas orquídeas. Seja por não desenvolverem, seja por apresentarem manchas, etc.






Hoje, vou ensinar várias receitinhas que poderão ajudar suas orquídeas e, por serem naturais, não causarão fito toxicidade.

É claro, que assim como um remédio, o excesso pode ser fatal, por isso, nada de abusarem!

A primeira DICA e, a mais importante é a PREVENÇÃO!

Quando cuidamos corretamente de nossas plantas, dificilmente elas serão acometidas por pragas e doenças.

A adubação correta e em dia, favorece com que a planta mantenha sua "imunidade" ou seja mais resistente ao ataque.

Porém, mesmo cuidando podemos nos deparar com diversas situações, devido aos desequilíbrios no clima, ventilação inadequada, excesso ou falta de água, uso de tesouras sem esterilizar, resíduos no local de cultivo, como folhas, plantas mortas, sujeira... Tudo isso, propicia a proliferação de cochonilhas, pulgões, caracóis, lesmas, formigas e doenças.

Leia mais em :COMO PREVENIR PRAGAS E DOENÇAS

Se, mesmo com todos os cuidados aparecer alguma praga, é preciso conhecer que tipo de praga para saber que tratamento é o mais eficiente!

"As lesmas e caracóis costumam aparecer em solos úmidos e gostam de atacar durante a noite, furando e devorando folhas, caules e botões florais. Já as formigas costumam ser injustiçadas: não são todas as espécies que atacam as plantas. Antes de eliminá-las, observe se elas voltam ao formigueiro com folhas cortadas. “As saúvas e as cortadeiras são as que costumam causar mais estragos”, conta Carol Costa".

Se você notar que as folhas estão enrugadas e com casquinhas pretas, é sinal de que a planta está sendo atacada por cochonilha ou pulgão. 

Além de roubar nutrientes, eles liberam um tipo de cera doce que facilita o ataque de fungos e atrai formigas. Não bastasse isso, algumas cochonilhas têm uma espécie de carapaça dura, mais difícil de combater, e há alguns pulgões que apresentam asas.

Antes de começar o tratamento, é necessário limpar a planta. 

O que dá sempre certo é lavar a planta em baixo da torneira com água corrente e sabão de coco. Se for apenas uma folha atacada, use uma esponja macia e faça a limpeza.

Para pulgões, coconilhas, você pode usar uma escova de dentes macia para auxiliar na remoção.

Então, vamos as receitas?

Nestas postagens você vai encontrar diversas receitas:


Para poder identificar o que está acontecendo, você poderá ler em:

terça-feira, 12 de setembro de 2017

ERROS QUE COMETEMOS QUANDO COMEÇAMOS A CULTIVAR ORQUÍDEAS

ERROS QUE COMETEMOS QUANDO INICIAMOS...


Quando começamos a cultivar é comum querermos várias espécies, sem nos preocupar com o que elas precisam, se podemos atender suas necessidades.

Nos empolgamos, achando que a orquídea é igual a outras plantas, que basta colocar em uma vaso e regar e pronto... Ledo engano!

Talvez, seja por isso, que as orquídeas tenham a fama de planta difícil de cuidar.

Dependendo do clima da região em que moramos ( se muito quente ou muito frio) devemos escolher orquídeas que se sintam em casa, para que possam se desenvolver sem problemas.

Se compramos uma orquídea que ama o frio, não será possível que ela vá bem em regiões de clima quente. Porém, se você tem condições de criar um ambiente que favoreça as condições ideais ( no caso o frio, para este exemplo) ela irá super bem.

Não conhecer a espécie de orquídea, impede de sabermos do que ela gosta! Por isso, muitas pessoas desistem de cultivar orquídeas, porque compram magníficos exemplares que, ao passar do tempo definham ou até morrem, por falta de cuidados específicos.

Quando comecei a cultivar, a empolgação foi tanta que comprava pela flor... olhava as flores na internet e comprava!

Não observava o tamanho e nem as necessidades da planta adquirida. 

Verificava o preço e pensava, porque pagar tão caro em uma se posso pagar metade por duas...

Quando as plantas chegavam... afffffffff eram muito pequenas!

É óbvio que comecei a desestimular... 

Mais, aprendi a lição!

Segui comprando porém observo os seguintes itens:

1 - que planta quero?

2 - verifico as necessidades de cada planta que quero e se posso oferecer tudo o que precisam;

3 - Faço uma lista das plantas que pretendo comprar;

4 - Busco por orquidários idôneos ( já tenho uma lista dos preferidos);

5 - Comparo preços, tamanhos, qualidade da planta;

6 - Efetuo a compra, somente quando tudo é atendido.

Desta maneira, tenho economizado, pois além de comprar somente plantas que se adaptam ao meu clima e forma de cultivo, não tenho perdido mais nenhuma planta.


domingo, 27 de agosto de 2017

ADUBO NPK Com Carol Costa

NESTA SÉRIE DE 3 VÍDEOS, APRENDA A IMPORTÂNCIA DO NITROGÊNIO (N), FÓSFORO (P) E POTÁSSIO (K) EM NOSSAS ORQUÍDEAS.


A importância do Nitrogênio (N)




Vamos ver agora a importância do Fósforo (P)?


E, por último, não menos importante o Potássio (K)



Agora, não tem erro!

Aprendendo sobre o NPK, suas plantas ficarão lindas.

CURTA, COMENTE, COMPARTILHE O CONHECIMENTO!

O B+A= BA DAS ORQUÍDEAS

QUANDO COMEÇAMOS A APRENDER SOBRE ORQUÍDEAS, NOS DEPARAMOS COM MUITAS PALAVRAS DIFERENTES DO NOSSO DIA A DIA...


E, muitas vezes algo que parece ser fácil... cultivar orquídea, acaba se tornando um desafio!

Fomos criados observando nossas mães e avós cuidando de flores, porém estas, geralmente, eram cultivadas nos jardins ou em vasos com terra, em vasos grandes e, seus cuidados estavam na simples rega com água.

Quando ganhamos ou compramos uma orquídea, vemos que ela não está na terra, que o material em que ela está plantada parece seco (muitas vezes). Então, muitas vezes, por desconhecimento alguns à colocam em vasos maiores, alguns a colocam na terra e o pior de tudo, regam com muita frequência. E, no final, acabam por perder a planta e confirmam que cultivar orquídeas é muito difícil!

Lembro que, existem muitas orquídeas que são terrestres, porém em sua grande maioria elas vivem fixadas em árvores, sem serem parasitas (que se aproveitam e retiram da árvore o que precisam). 

As orquídeas quando estão em seu habitat natural, em florestas, retiram seu alimento do ar, das fezes de pássaros, da umidade do ambiente.

Então, ao cuidarmos de nossas orquídeas, vamos pensar: se ela estivesse na natureza, do que ela gostaria?

A resposta seria: 

1 - Protege-las do sol direto (lembre que na natureza, nas árvores, elas são protegidas pelas folhas, que deixam passar alguns raios de sol, porém com o balançar das folhas pelo vento, a incidência dos raios não fica direto.

DICA: Aprenda aqui sobre luminosidade, sombrite, clicando na palavra abaixo:
LUMINOSIDADE

2 - Plantá-la em material inerte. Este material se chama SUBSTRATO.

DICA: Aprenda aqui o que são e como usá-los, clicando na palavra abaixo::
SUBSTRATO

3 - Alimento: a não ser que sua orquídea esteja em uma árvore, ela precisará que você que cultiva em vasos, forneça alimento para ela. Este alimento se chama ADUBO.

DICA: Aprenda aqui os tipos, quando e como usar, clicando na palavra abaixo:
ADUBO

4 - Regas: é mais fácil matar uma orquídea por excesso de água do que pela falta. O excesso de água, manter pratinhos em baixo do vaso, e outros, aumentam a chance de levar ao apodrecimento das raízes, ao aparecimento de doenças e pragas em suas orquídeas.

DICA: Leia mais sobre regas, clicando na palavra abaixo:
REGA

Com apenas estes 4 cuidados você terá lindas orquídeas.

Agora vamos esclarecer algumas palavras que encontramos no nosso dia a dia quando começamos no cultivo de orquídeas, com o intuito de facilitar o entendimento!

AXILA: é o ângulo formado pelo encontro de duas partes da planta. 
         Tenho usado muito a palavra "copinho" para melhor entendimento, quando me refiro a axila das Phalaenópsis, onde nascem as novas folhas.


Notem que após regarmos, a água se encaminha para o centro - AXILA("copinho").
A água parada no "copinho" poderá levar ao apodrecimento e posterior perda da planta.
DICA: seque sempre com cotonetes

BAINHA: base da folha que a prende ao caule.

BULBO TRASEIRO: é o pseudobulbo mais velho, geralmente sem folhas, que segue vivo e pode ser usado na propagação de uma nova planta ou apenas como reserva de nutrientes.

BRÁCTEA: – uma folha modificada de cuja axila emerge uma flor ou mesmo uma inflorescência. Não confundir com espata! Espata é uma bráctea.

CADUCA: que cai após um certo tempo. Algumas orquídeas possuem folhas caducas.

DORMÊNCIA: período de pausa da planta, onde não há crescimento vegetativo. Geralmente ocorre logo após a perda das folhas ou de crescimento, quando a planta reserva as energias para a florada. Normalmente requer temperatura mais baixas e menos regas.

EPÍFITA: Quando uma orquídea, na natureza, vive fixada em árvores, chamamos estas orquídeas de epífitas.
                 Porque é importante sabermos disso? Por que sabendo que ela é epífita, saberemos o tipo de substrato ela deverá ser plantada.



ESFAGMO OU SFAGMO: é um musgo de água muito usado como substrato para plantas novas (mudas) e para as que precisam de mais umidade. Pode ser misturado à outros substratos que retenham menos umidade, equilibrando assim a mistura.


ESPATA: bráctea que protege a inflorescência em formação no seu interior.

Espata Cat forbesii - Cultivo Tati Rodrigues

ESPÉCIE: é o conjunto de plantas que possuem as mesmas características que os diferencia de qualquer outro grupo. Várias espécies formam um gênero.

Criação e design ORQUÍDEAS SEM SEGREDOS

HASTE FLORAL: o que mais queremos! Haste ou pedúnculo é o ramo que se eleva da planta, de onde sairão as flores.



HÍBRIDO: É o resultado do cruzamento entre espécies, subespécies ou entre híbridos, dando origem a uma nova planta, que apresenta características dos pais de origem.
A descendência é resultante da união de duas espécies diferentes (híbrido primário), ou de uma espécie e um híbrido, ou entre dois híbridos.

INFLORESCÊNCIA: conjunto de flores ou qualquer sistema de ramificação que termine em flores, e que se caracteriza pela presença do pedúnculo. ( pode ser notado na foto acima).


KEIKIé uma palavra do idioma havaiano com significado de bebe ou criança, literalmente "a pequena". Os keikis são mudas de orquídeas que aparecem, geralmente, na haste floral, no pseudobulbo ou na base de certas espécies.

DICA: Leia mais sobre Keikis em: KEIKI

LABELO: é a pétala maior e de coloração, na maioria das vezes, que se sobressai das outras.

Partes da flor

MERISTEMA:  é a divisão clonal de uma planta (clone: obtida de uma única planta), podendo ser obtido de gemas, pontas de raiz ou outro.

MONOPODIAL: quando o crescimento é contínuo, em um só pé, sem ramificações ( como nas Vandas, por exemplo)

NÓ: ponto de junção ou encaixe. Pode ser do pseudobulbo, haste floral ou caule. Do nó podem surgir novas hastes florais, folhas ou mesmo raízes. O espaço entre dois nós é chamado entrenó.


PSEUDOBULBO: "Falso bulbo"mais conhecido, apenas como bulbo. É a dilatação do caule Possuem forma mais "gordinha". 



RAIZ: órgão de fixação da planta ou substrato. É a parte que absorve a água e nutrientes.
          Temos ainda alguns termos usados, como:
          Raiz nua: utilizado quando uma orquídea é enviada por alguns orquidários, ou seja, as plantas são enviadas sem substrato.
           Raiz aérea: que se desenvolvem sem substratos, como é o caso das Vandáceas.


RIZOMA: é um caule armazenador de nutrientes, parecido com uma raiz, provido de gemas e escamas. Pode ser subterrâneo ou aéreo.
É dele que saem novos brotos, que irão crescer e, se bem cuidados, irão emitir flores.
OBS: para orquídeas, tipo Cattleya, não devem ser "enterrados"




RUPÍCOLAS: nome dado às orquídeas que vivem sobre rochas. Elas não vivem fixas às pedras e, sim fixadas aos líquens e folhagens decompostas acumuladas nas fendas e partes rebaixadas da pedra.
Laelia lucasiana

SEEDLING: planta nova. É considerada Seedling quando o período entre o "nascimento" da semente até a 1.ª floração. é a orquídea que ainda não floriu.

SELF: é dito da orquídea obtida pela fertilização da mesma flor, aplicando-se o seu pólen sobre o próprio estigma. Também conhecida como fecundação artificial.

SIMPODIAL: quando o crescimento da planta se faz nos dois sentidos (horizontal e vertical).



SUBSTRATO: é o material em que plantamos nossas orquídeas. Hoje em dia temos vários materiais que podem ser usados no plantio de orquídeas, e que substituem o xaxim (em extinção e proibido sua retirada da natureza, comércio e afins).
O substrato pode ser de um só tipo (ex: casca de pinus) ou fazer um MIX - mistura de dois ou mais tipos juntos (ex: casca de pinus +carvão)

GOSTOU?
CURTA, COMENTE, COMPARTILHE O CONHECIMENTO!

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

SISTEMA DE SEMI HIDROPONIA PARA ORQUÍDEAS

ESTE SISTEMA PODE SER USADO QUANDO VAMOS VIAJAR E PARA ALGUMAS PLANTAS QUE SE ENCONTRAR DEBILITADAS.


Você pode usar de duas maneiras este sistema:

1 -  Adaptando o vaso em que a planta já se encontra plantada;


Phalaenópsis em vaso plástico, adaptado em um fundo de garrafa Pet.

Neste sistema, você utilizará o fundo de uma garrafa Pet, que se adapte ao vaso.

Coloque água na parte de baixo, sem que esta toque o fundo do vaso. 

As regas são mais espaçadas. Apenas borrife, quando o substrato estiver seco. 

Você pode se basear pela coloração da raiz.

Necessidade de rega pela coloração da raiz



2 - Usando a garrafa Pet.

Sistema com garrafa Pet

Neste sistema, você usará uma garrafa pet, de acordo com o tamanho da planta.

Corte a garrafas na marca (própria da garrafa).



Na parte superior onde você plantará sua orquídea, coloque um pouco de substrato e passe um pedaço de barbante por dentro do substrato, deixando as pontas do barbante saírem pelo fundo. Ou, você poderá optar em deixar a tampa (fazer furos na tampa)

Plante sua orquídea, com o substrato específico para a espécie.

Encaixe a parte de cima, dentro do fundo.

Deverá ficar assim

 Com tampa furada.


Sem tampa e com barbante

Qualquer um dos sistemas ajudarão a sua orquídea a se recuperar.

CURTA, COMENTE, COMPARTILHE O CONHECIMENTO!


domingo, 20 de agosto de 2017

MODELOS DE ORQUIDÁRIOS PARA CONSTRUIR - GREEN HOUSE FOR ORCHID

MODELOS DE ORQUIDÁRIOS DE ENCHER OS OLHOS.

Para quem tem um espaço em casa que possa usar, seguem várias opções de como fazer seu orquidário.

Você pode pegar uma ideia de cada foto e fazer o seu personalizado.































Fotos: Google

GOSTOU?
CURTA, COMENTE, COMPARTILHE O CONHECIMENTO!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *