sábado, 20 de maio de 2017

COMO CUIDAR DAS ORQUÍDEAS NO INVERNO?

ORQUÍDEAS NO INVERNO


Como sabemos muitas orquídeas entram em dormência durante o inverno, porém sabemos também que com uma família tão grande, existem espécies que no inverno estão em pleno desenvolvimento.

Nosso Brasil, é muito grande e a variação climática é bem diferenciada e, entre junho à agosto, a variação climática e de temperatura é ainda maior, principalmente nos estados do Sul.

O vento frio e as geadas são inimigos número 1, ao contrário da estação de chuvas que antecedem o período de estiagem.

Com dias mais curtos e frios, a água tende a demorar mais para secar e, com isso, levar ao aparecimento e proliferação de fungos e bactérias.

Neste período, as chuvas evitam que fiquem secas e sofram com a baixa umidade, porém o aparecimento de doenças é maior.

Devemos aumentar os cuidados preventivos contra pragas e doenças, realizando uma limpeza em todo orquidário ( prateleiras, bancadas, etc... retirar palhas secas, e outros).

Neste período não é aconselhado replantes e cortes.

Como o inverno é uma estação tipicamente fria e seca, algumas orquídeas necessitam destas variações do clima para florirem, como os Cymbidiuns, algumas espécies de Dendrobiuns e até algumas espécies de Phalaenópsis.

DICA: O Dendrobium Nobile (Olho de boneca) deve sofrer o estresse hídrico (que começa em MAIO). A mesma dica vale para seus híbridos.

O cultivador amador, deve ter maior atenção nesta época, sendo aconselhável recolher suas plantas para dentro de casa, quando possível. As que estão em árvores, o ideal seria cobrir com plástico.
Resultado de imagem para cobrindo as orquideas no inverno
Este cuidado deve ser primordial para as orquídeas que tem como seu habitat natural clima mais quente e não suportariam a queda da temperatura.


Vale ressaltar que algumas espécies, ao contrário de que muitos pensam, estão em plemo desenvolvimento nesta época, como algumas espécies de Cymbidiuns, Oncidiuns, Phragmepidum, Gomesa e Laelia, que necessitam de mais água para que possam florir.

DICA: cuidado com o excesso de água para estas, pois o encharcamento do substrato poderá levar ao aparecimento de doenças e/ou apodrecimento das raízes.

Quanto a adubação, esta não deve faltar, porém deve ser reduzida a dose ou espaçar o tempo. Aumentar adubo com alto teor de Potássio é indicado, pois garante melhor enraizamento.

Após o inverno, já se pode iniciar a adubação com alto teor de nitrogênio, logo após aparecerem os primeiros sinais de brotos novos, pois este elemento é essencial à fase de crescimento, auxiliando na formação de clorofila e na síntese de proteínas.

Dias curtos, nesta época, interferem também com a luminosidade. As folhas e pseudobulbos podem ficar amarelados e sofrer queimaduras, caso exposta ao sol. Já a falta enfraquece as folhas e pseudobulbos, inibindo a floração e levando a doenças.

DICA: observe a coloração das folhas. A simples troca de lugar do vaso, mesmo que alguns centímetros, possibilita maior ou menor incidência de luz.

Uma coisa que costumo fazer nos dias muito frios é "quebrar" o gela da água, tendo em vista que em minha cidade os dias de inverno, muitas vezes chegam a ficar negativos. "Quebro o gelo" aquecendo um pouco a água, deixando-a em temperatura ambiente, mas não como o dia lá fora...kkkkk














4 comentários:

Priscila Lemos disse...

Importantíssima esta matéria.
Obg

Tati Rodrigues disse...

Obrigada

Regiqma Celia S Campos disse...

Agradeço por darem informações tão importantes para quem tem pouca experiência mas ama orquídeas.

Tati Rodrigues disse...

Aqui sempre vc encontrará várias informações Regiqma.