sexta-feira, 30 de junho de 2017

COMO REGAR CORRETAMENTE NOSSA ORQUÍDEA

REGANDO NOSSAS MENINAS.


É impossível colocar uma regra para a rega das orquídeas, pois ela pode variar de uma a três regas por semana.

Tudo vai depender do tipo de clima de sua região e da espécie de planta.

Se estiver mais quente e o tempo estiver mais seco serão necessárias mais regas.

Se estiver um tempo chuvoso ou for inverno, serão necessárias menos regas.

Igualmente as demais plantas, se as folhas das orquídeas estiverem murchas, provavelmente seja por falta de água, porém borrife água em toda planta antes de regar abundantemente.

Se as folhas estiverem firmes não será necessário regar.

DICA: para as orquídeas Phalaenópsis, vc poderá mergulhar o vaso em um recipiente com água, assim não corre o risco de deixar água na axila da planta ( "copinho"). Deixe por uns 10 min, depois escorra bem, para poder colocar ela novamente em seu lugar 

SUPER DICA: Observe as raízes, se verdinhas não precisa regar, se "prateadas" regue a vontade 

COMO CUIDAR DE UMA ORQUÍDEA

Muitas pessoas quando compram uma orquídea, a compram por sua beleza, porém quando a levam para casa, não tem a minima ideia de como cuidar dela 






Muitas vezes não conhecem nada sobre o cultivo... e depois que acaba a floração, deixam esta orquídea junto com outras plantas e acabam vendo sua planta ficar feia (pois não recebe nutrientes necessários), acabando por serem atacadas por pragas e doenças, podendo até morrer ou veem a planta seguindo viva, porém nunca mais dá flor, pois só absorve o que consegue obter do ambiente. Pode, nesta ultima situação, até florir, porém com flores menores e menos vistosas ( como quando a comprou).

Isso acaba desanimando muitas pessoas e confirmam que é difícil cultivar orquídeas.


Na verdade, o que falta é informação!


Como sempre dizemos aqui, a primeira coisa a saber é que tipo de orquídea é.


Lembro que são mais de 3.500 espécies, além de híbridos (cruzamentos), por isso se vc souber, pelo menos a espécie, já é um começo ( Cattleya, Cymbidium, Oncidium... e por aí vaí).


Sabendo que orquídea é, vc poderá buscar ajuda de como cuidar dela (que tipo de substrato é o ideal, quanto de iluminação ela precisa (essencial para florir), como regar, que tipo de adubo, etc.


SINAIS DE REGA INADEQUADA NAS ORQUÍDEAS

NOSSAS ORQUÍDEAS MOSTRAM O QUE PRECISAM.


Sinais de rega inadequada

Raízes: se estiverem bem hidratadas, apresentarão um tom verde de aspecto saudável.

Brancas acinzentadas indicam que precisam de mais água. Se estiverem realmente muito secas, mergulhe-as em uma bacia com água por 2 minutos, escorrendo o excesso.

Cinzas, amolecidas e com cheiro de mofo: sinal de muita água. Deixe-as secarem naturalmente. Isso poderá levar até 10 dias. Depois desse período, retorne a rega normal.

Se quiser, na primeira semana, apenas borrife sua planta com água.

Flores:
Pequenas manchas verdes podem aparecer quando a planta passou por fase de pouca irrigação e está envelhecendo. Verifique sempre as raízes. Elas indicam se sua planta está bem hidratada.

Folhas:
Macias que enrugam, são sinais de desidratação

SINAIS QUE SUA PHALAENOPSIS ESTÁ EM PERIGO OU MORRENDO

SINAIS QUE SUA PHALAENOPSIS ESTÁ EM PERIGO OU MORRENDO



Se a haste está mole ou seca, é hora de descartá-la.

Perda de flor de orquídea faz parte do processo do ciclo da vida dessa espécie.
No entanto, a perda prematura de flor pode ser resultado de:
1 - Temperatura: alterações bruscas ou excesso de vento.
2 - Rega inadequada: planta seca. Verifique as raízes. Se estiverem hidratadas, terão uma cor verde saudável. As raízes brancas acinzentadas indicam que precisam de mais água.
3 - Se a haste estiver marrom, não nascerão mais brotos. Remova-a. Corte-a a uma distância de aproximadamente 2cm de sua base. Desta forma ela destinará sua força para folhas e raízes.
4 - Folhas macias enrugadas, são sinais de desidratação.

COMO FAZER MINHA ORQUÍDEA FLORIR?

FICA A DICA DE HOJE - COMO FAZER MINHA ORQUÍDEA FLORIR

Mini Phalaenopsis - Cultivo Tati Rodrigues
Para florir uma orquídea necessita que suas necessidades sejam atendidas!

Primeiro: que orquídea tenho?
Segundo: do que ela precisa?

A maioria das orquídeas necessitam:
1 - Ambiente adequado;
2 - Luminosidade ideal;
3 - Umidade
4 - Ventilação
5 - Adubação

A floração é uma fase do ciclo de evolução da planta, onde ela gasta muita energia e esta energia ela acumulou antecipadamente, quando a adubação foi correta na fase de crescimento e pré-floração.

Por isso, é tão importante anotarmos a data da floração, assim quando já saiu do período de "descanso" ela começa a emitir novos brotos (fase de crescimento) o que quer dizer que se prepara para saberemos que está próxima a floração.

Sendo assim:
1 - após a floração deve-se iniciar o adubo de manutenção.
2 - quando começarem novos brotos e estes atingirem um bom tamanho, já se pode iniciar com o adubo de floração.

Quanto a dosagem, vc pode optar em:
1 - Fazer a dose recomendada de 15/15 dias ou
2 - Fazer metade da dose semanalmente.

DICA: Regue bem a planta antes de fazer a adubação.

SUBSTRATOS PARA ORQUÍDEAS

FICA A DICA DE HOJE - SUBSTRATOS






A finalidade é servir de apoio para a orquídea, onde as raízes possam se fixar, permanecendo firmes ( sem compactação).
Ele deve permitir boa umidade, circulação de ar e nutrientes ( alguns substratos oferecem alguma coisa, mas é através da adubação que os nutrientes são oferecidos corretamente).
Hoje em dia, temos uma variedade enorme de tipos de substratos sem agredirmos a natureza, usando de forma renovável e sustentável esse presente da natureza.
Muitos orquidófilos e orquidários tem contribuído pesquisando e usando materiais que são descartados em sua região, usando como substratos alternativos ou para drenagem de vasos.
O que falta, muitas vezes, é INFORMAÇÃO e CONHECIMENTO!
Adequar estes tipos de substratos às nossas orquídeas vai do conhecimento das necessidades delas.
Já sabemos que as orquídeas, que na natureza vivem em árvores (conhecidas como EPÍFITAS) têm praticamente as mesmas necessidades, alterando alguma coisa em relação a luminosidade... porém, em se tratando de substrato, podem ser cultivadas em diferentes tipos ( observando apenas: a umidade ( se ele seca mais ou menos, se retém mais ou menos água).
O substrato ideal, é àquele que é volumoso, de média a alta porosidade e baixa densidade (seja leve).
No aspecto químico a acidez (pH entre 5 e 6) e baixa salinidade, são as qualidades que propiciam um bom enraizamento.
Por fim, que tenha ausência de fitopatógenos e pragas.

Leia mais a respeito:
SUBSTRATOS

segunda-feira, 26 de junho de 2017

ADUBAÇÃO DE ORQUÍDEAS

VAMOS TIRAR MAIS ALGUMAS DUVIDAS SOBRE ADUBOS?


O básico para adubar uma orquídea é a utilização de um adubo que seja completo para nossas orquídeas.

Observe a diferença entre as plantas da foto: uma que vem sendo adubada e outra não.

Não tem o que inventar, não é mesmo? A planta precisa comer para crescer!!! Então vamos entender melhor a composição dos adubos.
Principais nutrientes
NPK (Nitrogênio, Fósforo e Potássio) – Macronutrientes
São os nutrientes que a planta precisa em maior quantidade para crescer, se desenvolver e dar flores, frutos e sementes.
Ca Mg S (Cálcio, Magnésio e Enxofre) – Macronutrientes secundários
São nutrientes importantes que a planta precisa em quantidade média
Micronutrientes
Ferro (Fe), Manganês (Mn), Zinco (Zn), Cobre (Cu), Boro (B) e Molibdênio (Mo).
Exigidos em menor quantidade pelas plantas, mas não menos importantes pois a ausência deles pode causar deficiências graves.
O que significam os números dos adubos?
Os adubos solúveis apresentam muitas vezes alguns números em sua nomenclatura, o que dificulta na decisão dos iniciantes de cultivo. 
Esses números referem-se à composição de Macronutrientes principais na respectiva ordem (N-P-K), ou seja, um adubo 20-20-20 apresenta a mesma proporção de NPK, já um adubo 15-30-15 apresenta o dobro de P em relação aos demais nutrientes.
Diferença entre os adubos de floração e manutenção
A principal diferença entre estes dois adubos é a proporção dos macronutrientes (NPK).
Os adubos de floração apresentam sempre uma quantidade maior de Fósforo (P) principal componente responsável pela floração das plantas, sendo normalmente no dobro da quantidade dos demais nutrientes.
Os adubos de manutenção apresentam normalmente a mesma quantidade de todos os macronutrientes, sendo mais indicados para cultivo em pequena escala.
Muita gente usa o adubo de floração incessantemente, pensando que com isso a planta irá produzir mais e mais florações, entretanto, as orquídeas tem um ritmo próprio de crescimento, brotação e floração, não sendo recomendado a utilização em massa desse tipo de adubo, o que pode levar à FITOTOXICIDADE da planta.
Deficiência de nutrientes nos adubos solúveis
Os principais adubos solúveis comercializados contém os Macro e Micronutrientes, deixando sempre de lado os Macronutrientes secundários. Vamos entender a razão disso.
Os macronutrientes secundários são constituídos por 3 elementos: Cálcio, Magnésio e Enxofre.
O enxofre (S) é constituinte do ar atmosférico, podendo ser adquirido pela planta por meio do ar, especialmente durante a irrigação ou chuvas, quando o mesmo é solubilizado do ar para a água. Esse elemento, quando em excesso na atmosfera causa a famosa chuva ácida. Desta forma, não há razões para grandes preocupações.
O Cálcio (Ca) é um elemento pouco solúvel, constituinte principal dos nossos ossos e muito difícil de encontrar na composição de adubos solúveis. Compete na absorção de Nitrogênio (o N dos macronutrientes) pelas plantas, reage com o Fósforo (o P dos macronutrientes), tornando-se indisponível para as plantas.
Magnésio (Mg) é um composto que compete (e sempre perde) na absorção de Potássio (o K dos macronutrientes) mas é importante para a absorção do Fósforo (o P dos macronutrientes).
Existem no mercado alguns adubos líquidos que trazem em sua composição todos os 6 macronutrientes, entretanto, a maior parte destes adubos não contém todos os micronutrientes necessário, necessitando também de complementação.
E agora, como adubar para ter uma planta saudável?
Você pode complementar a adubação com adubos orgânicos!
Os adubos orgânicos mais utilizados são a torta de mamona e farinha de ossos que podem auxiliar no fornecimento de cálcio e magnésio para as plantas. Normalmente são utilizados na proporção de 60-40, ou seja, 3 partes de torta de mamona para 2 partes de farinha de osso. 

A maneira mais comum de utilizar estes adubos orgânicos é de 3 em 3 meses colocar uma colher de chá no canto do vaso (longe das raízes). 

Para facilitar ainda mais, muita gente tem feito pequenas trouxinhas com meias-calça ou algum outro tecido fino e permeável e pendurado sobre os vasos, permitindo uma liberação lenta desses compostos quando a planta é irrigada,.
Outro método é usar os porta adubos:

Você também pode pesquisar sobre o bokashi, viagra de orquídeas, osmocote e basacote (estes últimos são adubos de liberação lenta) extrato de algas e muitos outros adubos.
A combinação ideal
Mini Phalaenopsis com porta adubo - Cultivo Tati Rodrigues


Para mim, a combinação ideal é a utilização das trouxinhas de adubo (orgânico) penduradas sobre os vasos e adubação foliar solúvel feita semanalmente com metade da dose recomendada. Assim, as orquídeas ficam bem nutridas e felizes!

quinta-feira, 22 de junho de 2017

AS FOLHAS DA MINHA ORQUÍDEA ESTÃO AMARELANDO...

PORQUE ISSO OCORRE E O QUE FAZER?



Temos que avaliar todos os fatores que estão influenciando o amarelecimento das folhas.  É esta investigação que você fará, pois só você saberá identificar o que está acontecendo.


Saliento que, se apenas uma ou duas folhas ficam amarelas e são as mais antigas, não parece que tenha problemas, pois com a idade da planta é até normal que isso ocorra. Assim, a primeira causa do amarelamento é natural. Dependendo do tipo de orquídea, isso pode ocorrer ano à ano ou em alguns casos levar até 4 anos para que amarele a folha. Quando a folha estiver completamente seca, pode-se facilmente remove-la. 

O segundo motivo pode ser devido à exposição solar
Observe em que lado da planta a folha esta amarelando e verifique em que posição ela se encontra para receber mais luz. Se o lado em que está amarelando está voltado mais para a luz, pode ser este o motivo.
Veja a foto abaixo! A da esquerda recebe mais luminosidade do que a da direita.


Caso apareçam manchas nas folhas, além do amarelamento, causando queimaduras devido à exposição solar, você deverá tratar rapidamente.

Queimadura solar


O que fazer nestes casos?
Remova a planta de local ou coloque algo que filtre os raios solares, como uma cortina ou sombrite.
No caso da queimadura, deve-se limpar a área afetada e passar a pastinha de canela.

Terceiro motivo é a falta de luminosidade
Vale ressaltar, que a falta de luminosidade, também pode acarretar o amarelamento das folhas. Neste caso a folha amarela na base e cai. Esta situação pode levar a planta à morte. A falta de luminosidade tem um impacto negativo sobre a planta e você só perceberá um ou dois anos após ao início da doença, sendo as vezes muito tarde para salvar a planta.

O quarto motivo é a falta de umidade.
Regas fracas, inadequadas irão enfraquecer a planta. 
Lembre-se que o substrato deve estar ligeiramente úmido, porém não encharcado.
Excesso de umidade leva à doenças fúngicas. pois traz invasores para as raízes.
Regas regulares (para "lavar" o substrato) e borrifar levemente é o ideal. 

Quinto motivo:
Uma orquídea que fica em ambiente sem ventilação adequada terá o ar mais seco. Assim, como em ambientes com ar refrigerado. Levando as raízes secarem rapidamente. O ideal seria ter umidificadores por perto, ou uma fonte ou dispor bandejas umidificadoras em baixo dos vasos.

Cultivo Maria ELizabeth


Sexto motivo:
O vaso ficou muito pequeno para o tamanho da planta. Neste caso, você poderá dividir a planta ou colocar em um vaso 2 dedos maior ( lembre-se que em vasos muito grandes, as orquídeas gastarão muita energia para ocupar o espaço vazio, o que atrasará seu desenvolvimento), mas cuidado com as raízes (sempre molhe bem antes de mexer com a planta)


Sétimo motivo:
Falta de nutrientes ( principalmente Potássio o K do nosso NPK). Quando falta Potássio na planta, ela desenvolve um mecanismo para enviar este elemento às folhas novas, deixando as mais antigas sem ( o que leva ao amarelamento).

A falta de Nitrogênio ( o N do NPK) também leva ao amarelamento das folhas, mas não caem.

Oitavo motivo: Excesso de produtos químicos.
Muitas vezes, alguns cultivadores "exageram" em produtos químicos para que a planta se desenvolva rapidamente para poderem vender, e após alguns dias que a planta está em nossa casa, começa a enfraquecer.
Para "resolver" este problema, você deve iniciar com uma adubação homeopática, ou seja, diluir a dose do adubo a mais do que o indicado e ir aumentando com o tempo. Utilize adubo com maior concentração de Nitrogênio para incentivar novas folhas.

Nono motivo: Pragas e Deonças.
Vc poderá saber diferenciar, pois os insetos deixam uma "marca" ao atacarem a planta.
Identificar qual é o " inquilino" indesejável que está contribuindo para o amarelamento das folhas é essencial para saber o que fazer!



Se notar pontos amarelados, provavelmente sejam cochonilhas ( pontos brancos com o centro amarelos)
Se a planta toda ficou amarela, veja as raízes. Se estiverem mortas - excesso de umidade e afecções consequentes.
Se tiver pulgões,  a planta ficará desidratada antes de amarelar ( os pulgões trazem os Nematóides) Neste caso, trate primeiro os pulgões.




Décimo motivo: Mudança de local
Quando mudamos uma orquídea de lugar, ela levará tempo até se ambientar. Assim sendo, as folhas poderão cair ou mudar de cor e entrar em dormência por um longo período.
Isso, ocorre muito com as Dendrobiuns, quando se muda de um local de pouca luz para um com muita luz, e não ao contrário.
Quando for mudar sua orquídea de lugar, faça para um local semelhante, tentando manter a mesma direção e quantidade de luz.






quinta-feira, 15 de junho de 2017

SINAIS DE "PROBLEMAS" EM UMA ORQUÍDEA

COMO SABER QUE MINHA ORQUÍDEA PODE ESTAR COM ALGUM PROBLEMA?



As dicas dadas a seguir, podem e devem ser usadas também na aquisição da planta, pois se apresentar algum destes sinais é possível que você esteja comprando uma planta doente.


Uma das maiores habilidades que um colecionador de orquídeas deve desenvolver para obter sucesso no seu cultivo é a de observar as sua plantas e perceber os sinais de que pode existir algo errado como elas. 




A detecção precoce permite uma rápida intervenção sem que os sinais avancem na direção de grandes prejuízos e até a morte da planta.

1 - A cor das folhas

Normalmente nos preocupamos com o colorido das folhas quando elas ficam amareladas, mas isso não é tudo. 
Lembre-se que é normal as folhas mais antigas ficarem amarelas pelo envelhecimento natural. 
(Os demais motivos são explicados em outras postagens: falta ou excesso de adubo, excesso de luminosidade, doenças, pragas, etc)

O erro mais comum é achar lindas as plantas com folhas no colorido verde escuro. 
Muitas vezes o colecionador até elogia um cultivo em que as plantas estejam assim, mas não se engane, tem algo de errado. 


As folhas verde escuras indicam falta de luz e isso quer diz que sua planta terá dificuldades em florescer e que está mais susceptível a doenças. 

DICA: Sugiro a leitura sobre adubos:


2 - Folhas manchadas

Primeiramente tenha certeza que as manchas não são características da própria planta (como as encontradas na Oncidium Sharry Baby - mais conhecida como orquídea chocolate). 
Onc. Sharry Baby

Em algumas espécies é bem comum encontrar manchas purpuras escuras ao castanho. 

Cattleya schilleriana

Essas manchas são sempre estáveis, não progressivas e todas as folhas tem o mesmo padrão sem que as folhas necessariamente caiam. Essas pintas costumam se intensificar na medida que se aumenta a luminosidade . 


Ainda assim, manchas realmente podem indicar problemas. 



Esses problemas vão desde a picada de insetos sugadores (ácaros, thentecoris, tripes..) até a necrose causada pelo ataque de fungos ou bactérias contagio por vírus, não incomum que todas as opções estejam associadas. 

Déficit ou excesso de nutrientes também podem causar manchas características, mas se a sua adubação for balanceada essa é uma hipótese que deve ficar em segundo plano. 

Para aprofundamento da questão sugerimos a leitura dos arquivos: 


Menos comuns são as manchas por queimaduras de sol.
 


3 - Raízes mortas


Em se tratando de raízes mortas podemos ter desde a morte da ponta da raiz, até a morte da planta. 


Uma raiz saudável em crescimento apresenta a sua ponta verde (as vezes pigmentada); 


Infelizmente essa parte em crescimento é muito sensível e as vezes um simples toque, ou o balançar de uma orquídea solta do vaso é suficiente para interromper o seu crescimento. 



Outro culpado pode ser o acumulo de sais da adubação. Os sais da adubação somente devem ser dados na dose indicada, doses mais altas causarão a queima das raízes.


Defensivos usados em doses erradas também devem ser considerados.

Nematoides (pequenos vermes), lesmas, caracóis e lagartas podem devorar raízes inteiras. Crustáceos conhecidos como "tatuzinhos de jardim" podem roer as raízes e, portanto, não são bem-vindos no vaso. 



Já a morte total de uma raiz normalmente é causada pelo ataque de fungos, bactérias. 


A morte de raízes muitas vezes pode ser denunciada por plantas murchas. O excesso de água pode matar as raízes e isso explica o porque de você estar molhando a planta e ela continuar murcha. 

Lembre que o excesso de água mata mais que a falta.



4 - Folhas perfuradas ou comidas

Nesta caso a principal hipótese a ser investigada é a presença de lagartas. 

Em se tratando de plantas pequenas chegam a devora-las por inteiro sem deixar rastros. 
O maior problema é que muitas lagartas tem habito de comer somente a noite e durante o dia ficam escondidas dentro do vaso, dando a impressão de que elas ja tenham ido embora. 
Porém, o ataque pode ser de outros "inquilinos indesejáveis", como o Tentecoris, que ao chegarmos perto, se esconde em baixo da folha.



Veja mais em:


5 - Folhas e bulbos podres (apodrecidos)

Essa situação costuma ser mais grave, indicando o ataque de especies de fungos e bactérias muito agressivas. 



No entanto, esses fungos e bactérias normalmente pegam carona em fatores ambientais como a falta de ventilação, pouca luminosidade e muita umidade. Esse tipo de problema exige rápida intervenção e muitas vezes levará a morte da planta.

DICA de leitura para complementar o artigo: