quarta-feira, 2 de agosto de 2017

KEIKI DA PHALAENÓPSIS - TAL MÃE, TAL FILHO.

TAL MÃE, TAL FILHO!


Keiki é uma palavra do idioma havaiano com significado de bebe ou criança, literalmente "a pequena". 

Os keikis são mudas de orquídeas que aparecem, geralmente, na haste floral, no pseudobulbo ou na base de certas espécies.

Keikis na base

Este termo é bem conhecido no mundo da orquidofilia, pois alguns gêneros como Phalaenopsis, Epidendrum e Dendrobium, emitem keikis de maneira assexuada, sendo as novas plantas idênticas à planta mãe - Tal mãe, tal filho.

 Keiki Epidendrum
Keiki Dendrobium

De maneira natural são gerados pelo acúmulo de hormônio de crescimento em determinados pontos do caule ou da haste floral. O crescimento do Keiki pode ser induzido por exposição prolongada a altas temperaturas durante a fase final de crescimento da haste. Artificialmente,  podem ser induzidas a formar keikis pela aplicação local de produtos de uso comercial contendo o hormônio. 

Para deixar este tema mais rico, vou me ater apenas às Phalaenópsis.

O keiki é um clone exato da planta mãe, às vezes florescendo enquanto ainda está ligado à mãe.




Na Phalaenopsis, o keiki é, na verdade, uma pequena planta que cresce de um  ao longo do caule da flor. 

Nos dias quentes, é importante borrifar água sobre o keiki e suas raízes, pelo menos uma vez ao dia. Nos dias frios, pode-se alternar.

Outra maneira de ajudar nosso "Bebe" é envolver a base com sfagmo (musgo) umedecido com enraizador.



Deve-se esperar o keiki criar raízes fortes antes de separá-lo com cuidado para não quebrar as suas raízes e não machucar a planta mãe.



Para retirar o filho para plantar, no caso do Phalaenopsis o ideal é cortar a haste uns 2 cm antes e depois do keiki. Esse pedaço de dois dedos de haste, ajudará a fixar a muda no vaso.



Use sempre tesoura esterilizada (no fogo) e passe canela em pó nos cortes ( tanto da mãe como no keiki)


Se a matriz está presa em uma árvore, eu não corto o keiki da haste, apenas amarro  no tronco bem firmemente, de forma que as raízes fiquem encostadas. Em poucos meses ele começará a grudar no tronco também.

Se ele estiver em um vaso, você pode replantar só a muda ou então a mãe e o “bebê” no mesmo vaso. Aproveite para trocar o substrato!

4 meses após retirada da planta mãe.

Se optar em replantar os dois juntos, primeiro plantar a mãe, depois coloque cuidadosamente o keiki ao lado e com cuidado procure enterrar um pouco suas raízes. Se sentir que não ficou firme, faça um tutor com um palito de churrasco e amarre no pedaço haste onde está o keiki.

Em relação a adubação da, agora muda, aconselho aguardar até que tenha crescido um pouco (que teve alguma mudança desde o plantio). 

É bom ter em mente, também, que a planta utiliza muita energia para a produção e manutenção de keikis, o que pode debilitá-la e atrasar o seu ciclo de vida e floração.  

Deve-se avaliar o custo benefício em manter o keiki em crescimento na planta mãe ou elimina-lo pelo corte da haste floral ou descartá-lo da cana da planta mãe.


Gostou desta publicação?
Comente e/ou compartilhe nas redes sociais.

2 comentários:

Priscila Lemos disse...

SUPER BEM VINDO ESTE MATERIAL. TIREI MUITAS DUVIDAS.
ORBIGADA DE CORAÇÃO <3

Tati Rodrigues disse...

Muito obrigada Priscila.
Sempre que precisar